sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Luto

E se o dia de ontem, com a notícia arrasadora que recebemos, o de hoje ainda pior foi. Foi o confirmar de que era verdade. Inconscientemente e sabe-se lá o que nos leva  a ter esta espécie de esperança, ainda achava que hoje ia acordar e tudo não passara de um pesadelo.
Mas não, hoje foi a concretização de que não era pesadelo e a noite foi passada às voltas na cama, a acordar mais cansada do que quando me deitei.
Mau, muito mau!
Para bem de todos, conseguiram que o funeral fosse ainda hoje. Havia o risco de não se fazer e seria uma noite em claro e de muito (mais)  sofrimento.

E de um cenário do qual não vale a pena falar aqui. Todos conseguirão imaginar o que ia na alma e no coração das centenas de pessoas que mudas e quedas se limitavam a comunicar com o olhar marejado de  lágrimas.

Para alimentar ainda mais a revolta,a tristeza e demais sentimentos que nestas alturas só nos levam à dor, da boca do padre, em vez de palavras de conforto saíram palavras revoltantes, que fosse eu familiar da criança, mandá-lo-ia calar naquele preciso instante.
Das muitas barbaridades que saíram da sua boca, a mais lamentável foi: 'Estão todos aqui a chorar a morte destas criança. Tantas crianças morrem todos os dias e ninguém as chora!'
Sim, o padre disse isto, num tom de voz irritado e quase aos berros, como se estivessemos ali a cometer um grande pecado!

Houve quem neste momento abandonasse a igreja... não era caso para menos!


2 comentários:

Alberto Velez Grilo disse...

O padre, que deve ficar pouco a dever à inteligência, deve ter feito tal afirmação como forma de consolação da família. Mas fez mal, saber que outras crianças morrem e não são choradas não é consolação para a dor de uns pais que acabam de perder um filho.

Alguém deveria ter perguntado, o que faz esse padre pelas crianças que morrem e não são choradas.

Os pais na sua dor poderiam também perguntar se o padre queria que chorassem sempre que morria alguma criança no mundo, ou que não chorassem a morte do seu próprio filho, uma vez que não choram a morte dos outros.

Enfim... religiões

Ricardo disse...

Sinceramente, há padres e padres, mas nem tenho palavras para tal coisa, é por isso que sou contra homilias, nem se devia fazer homilias nos funerais nem em casamento, já a própria dor é uma homilia.

O Padre também está enganado, quando diz que ninguém chora quando morre crianças, podemos não chorar com lágrimas pelos olhos, mas choramos com o coração.

Maria, que é Mãe de Cristo, também chorou, pelo o seu filho, e ela já sabia de antemão, estava preparada mas chorou.

Deviam ter perguntado a esse tal sacerdote qual a Mãe que não chora pelo seu filho?

Irrita-me padres insensíveis e hipócritas, se fosse seu familiar não diria isso de certeza.