domingo, 30 de novembro de 2008

Mês duro, este, o de Dezembro!

Pronto, chegou!
Chegou o mês de Dezembro, aquele em que as pessoas felizes, ficam ainda mais felizes e aquele em que as pessoas menos felizes, para não dizer infelizes, ficam ainda menos felizes!
Digo isto, porque a nossa sociedade consumista e de aparências habituou-s (nos) a associar felicidade a dinheiro, consumismo, aparência.. tudo que nesta altura do ano pode ser levado ao rubro... e não pensem na crise, essa pode fazer um intervalo... eu bem vi esta manhã quando estive no centro comercial...lojas cheias, pessoas a circular carregadas de sacos...
Mas será que felicidade é isso mesmo? Antigamente numa noite de Natal, conseguia-se o sorriso de uma criança... com um chocolate ou um simples carrinho... agora um chocolate... é 'arma' de chantagem: 'se comeres, dou-te um kinder'. Dantes era: 'se não comeres isso, não comes mais nada até à hora do jantar'!
Voltando às pessoas felizes, às compras, às prendas e à crise, serão essas pessoas realmente felizes? Não, não são... não são porque e não o sabem, porque vivem num sonho do qual podem acordar a qualquer momento e aí vão bater no fundo de uma forma dramática!
Os menos felizes, ou infelizes, vivem com a impossibilidade de fazer frente aos novos padrões de felicidade da nossa sociedade: o consumismo e o exibicionismo! Para um adulto é fácil , menos difícil, de digerir, mas para uma criança, que consegue ser, na sua inocência de criança, de uma crueldade ímpar, viver com a diferença e ser lembrada para ele a toda a hora, é duro, muito duro! ... Para os pais, muito pior será! Como vão explicar ao filhos que não podem dar aos filhos o que os outros meninos têm, porque não têm dinheiro... ou simplesmente porque não têm como contornar a falta de dinheiro... que é o que a maioria das pessoas hoje em dia vivem... a contornar a falta de dinheiro... porque tê-lo... é miragem!
Mês duro, este, o de Dezembro! Para todos!

1 comentário:

Ricardo disse...

Concordo plenamente consigo, ao ler esta noticia, lembrei-me da minha infância, com pouca coisa no natal conseguia sorrir, hoje a sociedade só pensa no natal para o consumismo, e se não dermos aquilo que as crianças pedem é uma tristeza em suas caras, pois não compreendem que os dias que vivemos cada vez está mais dificil de dar algo fora do normal, falo assim, porque tenho 12 sobrinhos e a minha grande tristeza é não puder dar-lhes nada, infelzimente, mas também não trabalho, mas natal é sempre natal.
Mas pronto faço votos que todas as crianças possam ao menos sorrir num dia, embora o natal seja todos os dias, mas não é para todos, infelzimente.