quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Sessão de Quadros

Vinha no carros a ouvir na Antena 3 as criticas sobre os filmes em estreia e lembrei-me que adorava, quando ao Domingo de manhã o meu pai me 'convidava' para 'ver uma sessão de quadros'!
'Ver uma sessão de quadros' era ir à baixa, de autocarro-muito importante esta parte-ver os cartazes dos filmes em exibição nos cinemas da cidade!
Era uma manhã espectacular, nestes dias de outono. Apanhávamos o autocarro, o 7 e saiamos na Praça Carlos Alberto. A nossa primeira paragem era nos cinemas Lumière, onde íamos ver os cartazes dos filmes em exibição e dos 'a seguir', que é como quem diz: os que estavam para entrar. Às vezes, quase sempre,  atravessávamos a rua Mártires da Liberdade e íamos ver também os cartazes do teatro Carlos Alberto. Nem sempre tinha cartazes, mas eu adorava entrar no Carlos Alberto.. achava lindo e sempre adorei casas antigas.
Umas vezes descíamos os Clérigos até à Praça da Liberdade, outras a Rua de Ceuta até à Avenida dos Aliados. Quando íamos pelos Clérigos, subíamos a Rua 31 de Janeiro ( A Santo António do antigamente) e íamos até ao Águia Douro. Já naquela época tinha pouco em cartaz, pois funcionava como suplemento ao Cinema Batalha, que era, e é, ao lado. O Batalha, esse sim, tinha muitos cartazes, dentro e fora, numas vitrinas à volta do cinema.
Lembro-me que muitas vezes ficava parada a olhar para os quadros como que à espera que os personagens do filme se começassem a movimentar e o filme começasse... sensação estranha aquela!
Atravessávamos de seguida a Praça da Batalha e espreitávamos sempre o São João... a primeira vez que fui ao cinema foi lá. Fui ver o filme 'Se a Minha Cama Voasse'... nem sabia ler e da história não me lembro, só do nome do filme e de ver uma cama voar! Na noite do dia em que vi o filme, ainda demorei a adormecer... estava esperançada que a minha cama voasse... ainda por cima a minha cama era de ferro como a do filme! Adormeci a pensar no que a minha cama poderia ser diferente para não voar e a outra voar... é que a outra não tinha asas, logo não era por isso!
E pronto, passeio completo, hora de descer de novo a Rua 31 de Janeiro, ou então vir pela Rua do Loureiro até à estação de São Bento e apanhar o autocarro, o 7 Ponte da Pedra, na Praça da Liberdade... a maior recomendação da mãe era para não chegarmos depois da uma!
Quando tínhamos um bocadinho mais de tempo ainda passávamos pelo Rivoli, vi lá o ' Música no Coração'!
Quando chegávamos a casa, o almoço estava pronto e a conversa era sobre os filmes em cartaz e o combinar com a mãe as próximas idas ao cinema!
Infância feliz a minha e eu tinha noção disso! Que bom!


.


2 comentários:

blogando-me disse...

Sabes que muitas vezes fico a pensar na minha infância e o quão feliz fui. Aqui só tinhamos um "cine-teatro" e tal como tu adorava ir ver os quadros dos filmes. Lembro-me que na altura passavam montes de filmes indianos. Então se queriamos ir ao cinema, tinhamos de ver esses filmes. Era ver as senhoras a chorarem baba e ranho com a história.... De vez em quando lá passavam um filme infantil e lá iamos os "pikenos" em fila indiana ao cinema.
Bons tempos esses que sabem sempre bem recordar e este teu post, hoje trouxe-me isso à memória.

Bjs fofos

Reflexos disse...

Pois é, os filmes indianos! Também os havia por cá... era no Passos MAnuel, se não me engano, mas acho que nunca vi nenhum.
Eu também fiu muito feliz na minha infância... tive, e tenho, uns pais maravilhosos que souberam 'estar lá' quando foram precisos...

Jocas