quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Amigos Para Sempre


Há uns dias atrás li um post neste blogue precisamente sobre o que me aconteceu hoje: lembrar-me de alguém ou de uma situação sem razão aparente.

Imaginem, estava eu embrenhada nos meu planos de prazos e planeamentos quando me lembrei do Pararata!
O Patarata era um amigo meu do ciclo e do secundário ( até ao 9º ano). Era uma pessoa muito especial. Eram doze anos de vida dura que ali estava!

Família atípica, ou antes, deveria sê-lo, pois era muito comum naquela época: pai trolha, alcoólico, mãe costureira e três irmãos mais velhos.
Com o pai ninguém contava, os filhos esses eram o amparo da mãe. O irmão mais velho, trintão (naquela altura era velho!) já na altura, era electricista, estabelecido por conta própria e era o pilar económico da casa. O outro irmão, solteiro, tal como o mais velho, era picheleiro. A irmã, a mais próxima do Patarata, seis anos mais velha, frequentava o curso de educadora de infância, dando também explicações a miúdos em casa para patrocinar os estudos.

Nenhum deles, para felicidade da mãe, de quem os filhos eram o seu orgulho, se meteu a ser ladrão nem drogado, apesar de viverem num ambiente que seria desculpa para tal!

O Luís, nome próprio do meu amigo, era super divertido e de uma criatividade como eu vi poucas pessoas. Não gostava de futebol nem de brincadeiras de rapazes, pelo contrário, alinhava nas brincadeiras das raparigas, que mesmo assim não eram um exemplo de feminilidade. As brincadeiras mais femininas das raparigas era saltar ao elástico, o resto estão a ver…

Nas aulas de trabalhos manuais ensinava as raparigas a cozer à máquina, fazia-lhes os moldes dos trabalhos
Estava habituado, era ele quem fazia as suas sacas para a escola com calças de ganga velhas e nas alturas de muito trabalho da mãe, todos em casa ajudavam na costura. A mãe era costureira de trabalhar à peça e quantas mais peças fizesse mais ganhava… não se podia perder a oportunidade!

Quando acabamos o 9º ano, cada um foi para uma escola diferente, consoante as áreas de estudo que escolhemos. Ainda o vi algumas vezes no autocarro, mas depois perdi-o de vista. Passados alguns anos, já andávamos na universidade encontrei-o na rua, estava na UTAD ( universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro) a estudar Engenharia zoológica.

Gostava muito de o reencontrar, tenho saudades dele, provavelmente de uma pessoa que já não existe, pois as pessoas mudam e tornam-se seres completamente diferentes!

Aqui há tempos lembrei-me de no google meter o nome de alguns amigos que tinha perdido e encontrei o nome dele como sendo professor assistente da UTAD. Enviei-lhe um email, mas não obtive resposta... provavelmente já não se lembra de mim... da Gata Chalupa... era assim que ele me chamava!

Nota: o corrector ortográfico não está a reconhecer a palavra 'picheleiro'... é porque o senhor que está lá atrás a corrigir o meu texto não é do norte...só conhece 'canalizador'!


3 comentários:

Alberto Velez Grilo disse...

Bonita história. Pena que não tenha obtido resposta.

Quanto ao picheleiro (que no meu corrector não deu erro), ainda me lembro do que me ri quando ouvi essa palavra pela primeira vez :).

Já agora, picheleiro está no dicionário ...

Lucia Cintra disse...

Que pena que ele nao te respondeu. Sera que realmente recebeu sua mensagem?

Eu ainda mantenho contato com amigos de mts epocas de minha vida, tem umas 2 ate de infancia. Isso eh mt gostoso. Estou voltando pra visitar o Brasil agora depois de 11 anos sem ir la e tenho tantos amigos pra rever!

Eu acho que por mais que nossa vida seja corrida, sempre temos uns 5 minutinhos aqui e ali pra responder um email de um amigo. Nao custa e as amizades que ja fiz sao mt importantes pra mim.

Espero que ele te responda logo. Bjos

Reflexos disse...

Pois tenho muita pena de não ter tido resposta. Era uma pessoa de quem eu gostava muito ( sempre tive melhores amigos rapazes que raparigas) e eramos mesmo grandes amigos!