sexta-feira, 13 de novembro de 2009

O dia 13 de Novembro de 2005 ficará para sempre na minha memória como o dia em que estive à beira de assistir a uma grande tragédia.
Descíamos da torre, da Serra da Estrela quando fomos apanhados por um forte temporal. À nossa frente houve um acidente e tivemos de parar. Começou a formar-se gelo no pavimento e nos raios dos pneus. O carro de um dos nossos amigos começou a deslizar em direcção a uma ravina com a mãe e os dois filhos. dentro. O pai, que tinha saído para ver o acidente quando de apercebe que o carro estava a deslizar começa a correr atrás.Nada os parava. Nem ao carro nem a ele... até ao último segundo, quando o carro, assim como começou a deslizar, também parou.Uma pedra, única num raio de uns bons metros, estava precisamente naquele sitio parava travar o carro!
Quando o carro parou só a mãe se mantinha dentro do carro. Os meninos tinham saltado. A mãe não. 'Tinha os meus filhos comigo, não podia fazer nada por eles, por isso não os ia abandonar', disse ela, que não se apercebeu que eles haviam saltado!
Esta cena durou alguns segundos, uma eternidade, desde começar a ver o carro deslizar até o ver parado.

Tudo acabou bem, ninguém se magoou, seguimos viagem e à Mão que nos protegeu estamos-lhe eternamente gratos.
Era dia 13, domingo, dia de Nossa Senhora de Fátima.
A partir desse dia passei a gostar ainda mais da minha amiga.

1 comentário:

Ricardo disse...

Cara Reflexos, esse foi um episódio mesmo terrível, mas tudo acaba sempre bem com ajuda de um Alguém que nesse caso talvez tenha Sido dia de Nossa Senhora de Fátima.
Mas é uma belíssima realidade, obrigado por ter partilhado essa história real.

Beijinhos