sexta-feira, 28 de maio de 2010

Hoje

Hoje ele voltou ao médico.

O nervosismo ainda não acalmou. As memórias de há 12 anos ainda estão frescas.

Medir tensão ocular, medir campo de visão e... a parte em que as borboletas no estômago começam a sentir-se a alta velocidade, é quando o Dr. Paulo o manda sentar numa cadeira idêntica às dos dentistas e, num silêncio aterrador, anda em volta dele com uma lente a analisar-lhe o olho.
No fim, diz que está tudo bem... até agora.
Gosto daquele médico. Optimista qb. Cauteloso qb.
Diz que ter medo é normal, o contrário é que não seria, mas que os medos não são todos iguais. Que ele tem medo de andar de elevador, mas que não tem de andar de mota a 200 km/h.

'Podes-te levantar e quero voltar a ver-te na terça-feira.'- foram as primeiras palavras, antes da explicação habitual para tudo- 'A tua retina é frágil, o teu olho é frágil e não podemos correr riscos. Temos que o vigiar. Entretanto qualquer alteração de visão ou dor, telefona. Nada de esperar que passe. Dói, telefona. A visão piora, telefona. Logo!'
Mensagem passada.
'E agora vamos acelerar a cicatrização a estabilizar a tensão ocular. Vais à enfermaria, tomas já um comprimido e levas mais dois. Os outros compras e tomas durante doze dias.'

E pronto, depois de passar na enfermaria, de tomar o comprimido, viemos embora. A esperança mantém-se, o acreditar mantém-se, mas a consciência de que o perigo ainda está longe de passar acentuou-se. Foi bom a operação ter corrido bem, foi bom ele ter ficado logo a ver, mas...

... vamos continuar a acreditar, a pensar positivo, a querer e a crer que Alguém está a tomar conta de nós e a proteger-nos.
As minas Estrelinhas não me vão deixar ficar mal, pois não?




1 comentário:

papoila disse...

Todo o CÉU vai estar a tomar conta de vocês...acredita, acredita mesmo e vais ver que tudo se compõe.
beijinhos